A primeira vez que ouvi sobre o estilo musical Cumbia foi em 2006, através do esporte. O argentino Carlos Tévez jogava pelo Corinthians, contratado a peso de ouro na época, e o mesmo usava alguns passos da cumbia nas suas comemorações de gols. Só ouvi falar da cumbia novamente em 2014, quando fui para a Argentina, já que por lá será muito difícil não ouvir o estilo em algum lugar. A música sempre fez parte das viagens pela América do Sul, me apresentando estilos de diferentes países, para complementar minha “formação” musical já abrangida pelo Rock/Heavy Metal, já que, claro, a música é uma das manifestações culturais que podemos ter contato em uma viagem.

Na verdade nem argentina a cumbia é, sua origem é colombiana, mas a cumbia “villera” ou “das vilas” argentina fez e faz muito sucesso em muitos dos países latinos, e claro, na Argentina.

Porém uma nova vertente da cumbia vem fazendo grande sucesso não só pelos países que mais exportam essa nova vertente atualmente (Argentina e Uruguai), mas também por outros vizinhos. É a “Cumbia Cheta”, ou chamada por alguns de “Cumbia Pop”. Nem vou entrar nas brigas de estilos entre os fãs da cumbia tradicional com a juventude fã da “nova” cumbia, já que as temáticas são normalmente bem diferentes e nem é o objetivo desta matéria fazer uma explanação acerca da história da cumbia.

12310672_859854837460451_438637007979279305_n
Pablo Lescano, um dos ícones da Cumbia Villera argentina e líder do grupo Damas Gratis

A Cumbia “cheta” foge um pouco dos estilos antecessores na qual deriva, já que os ritmos tropicais da cumbia estavam normalmente associada às classes mais populares (no caso da Cumbia Villera por exemplo, abordavam críticas sociais, violência, drogas, polícia, entre outros) enquanto nesta nova “derivação” há uma maior associação às classes média e alta. Porém o ritmo segue dançante e voltou a estar em alta , principalmente pela juventude latina, que lota os shows desses grupos. A seguir, apresento algumas das dicas de bandas do estilo, já que se você tem viagem programada para países como Chile, Peru e principalmente Uruguai e Argentina, é bem provável que irá se deparar com muita Cumbia Cheta.

Confira:

Rombai (Uruguai)

São talvez o grupo mais popular do estilo atualmente, direto de Montevideo e capitaneada por Fernando Vásquez. Fizeram em 2017 show no tradicional festival de Viña del Mar, no Chile.

Marama (Uruguai)

Febre entre a juventude do rio da prata, possuem como produtor o mesmo Fernando Vasquez, cantor no Rombai, dessa forma, são muito comuns eventos em que as duas bandas dividem os palcos.

Dame 5 (Uruguai)

Se vocês adivinharem quem produz essa banda ganham uma passagem para Montevideo! (Só que não!)! Ele mesmo, Fernando Vázquez, é uma banda “irmã” das duas primeiras, com a diferença de apresentar duas vocalistas e ser mais nova, se preparando para lançar um disco de completas.

Koda (Uruguai)

Koda vem crescendo na cena do estilo no Uruguai, sendo um grupo de amigos que se conheceu fazendo música e que começaram a compor músicas para transmitir a alegria e diversão que possuem ao compor.

Sonido de la Costa (Uruguai)

O Uruguai domina essa lista haha Mas não é coincidência, muitos dos grupos de lá estão obtendo destaque e o Sonido de La Costa é outro, se destacando também por suas boas melodias e instrumental.

Mano Arriba (Uruguai)

Esse grupo é exatamente o que diz o nome: é colocar as mãos para cima e bailar! O que é de certa forma não usual, já que alguns dos integrantes do grupo possuem background no rock.

El Super Hobby (Uruguai)

Este grupo tem uma proposta interessante, já que mescla o português em algumas das letras com o espanhol, pelo fato de integrantes viverem próximo da fronteira com o Brasil.

 

Agapornis (Argentina)

Este grupo de La Plata foi um dos primeiros que teve a alcunha de cumbia cheta (porém a renegam, intitulando-se como cumbia pop), já que segundo o grupo a intenção é divertir as pessoas com sua música independente da classe social.

Pijama Party (Argentina)

Este grupo é um dos influenciados pelo anterior, originários da província de San Juan, estão ainda em ascensão em território argentino, mas tudo indica que não irá demorar para adentrar os países vizinhos.